Cidadeverde.com

Professor de matemática e vaqueiro recebe homenagem na Batalha do Jenipapo vestido em jibão

  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wellington Dias durante as homenagens pelos 192 anos da Batalha do Jenipapo
    Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

Durante as homenagens no aniversário da Batalha do Jenipapo, nesta sexta-feira (13), o agropecuarista, professor e vaqueiro Francisco Ribeiro de Carvalho chamou a atenção pelo traje. Diferente do terno e gravata, comum a maioria dos presentes, Francisco recebeu o título "Heróis do Jenipapo" vestido em um jibão, traje típico dos vaqueiros. 

O homenageado atualmente trabalha como professor de matemática e física e aniversaria hoje, 13 de março, quando se celebra em Campo Maior (PI) os 192 anos da Batalha do Jenipapo. Para ele, o título, além de um presente, é motivo de orgulho e emoção, o que, segundo ele, justifica o uso do traje.

Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

Prefeito Paulo Martins entrega a homenagem ao vaqueiro e professor Francisco Ribeiro

"Todo ano eu participo da representação da Batalha do Jenipapo contando a vida daqueles sofredores que lutaram com o próprio sangue por nossa independência. Sinto-me muito feliz e honrado em fazer parte desta história", afirmou o homenageado. 

Francisco comentou ainda que herdou a função do avô e do pai, que também são vaqueiros. E usar a vestimenta de couro em uma solenidade como esta representa uma homenagem aos vaqueiros de todo o Estado. "Hoje, além de ser homenageado, eu me sinto com muito orgulho homenageando a todos os vaqueiros do Piauí", concluiu. 

Valorizando a história
O vaqueiro foi um dos 33 homenageados com o título de "Heróis do Jenipapo". Além dessa honraria, também foram outorgados os títulos de cavaleiro, oficial, comendador da Ordem Estadual do Mérito Renascença do Piauí para outras 37 personalidades do Estado, como o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, desembargador Edvaldo Moura, e Assunção Aguiar, líder do movimento negro no Piauí.

Foto: Wilson Filho/Cidade Verde 

Líder do movimento negro, Assunção Aguiar foi homenageada com o Mérito Renascença

Antes, aconteceu a solenidade cívico militar, no monumento erguido ao lado do rio Jenipapo, onde ocorreu a luta armada pela independência do Piauí contra as tropas portuguesas.

O governador Wellington Dias e o prefeito de Campo Maior, Paulo Martins, ao lado de suas esposas, depositaram coroas de flores no cemitério construído para os heróis da Batalha.  

"Esse é um momento de homenagear os heróis do Piauí e do Brasil. Agora temos novas batalhas. Quantas não acreditamos que era possível uma vitória? Esses homens garantiram que nós tivéssemos uma nação soberana", afirmou o governador, que passou em revista as tropas antes das homenagens do dia.

Veja a lista de homenageados com o Mérito Renascença

CAVALEIRO

1. Arnaldo Saraiva e Silva

2. Everaldo Ibiapina Alvarenga

3. Joaquim da Costa Lobo Filho

4. Joaquim Luiz Cantuário

5. José Cláudio de Araújo Sousa

6. José EniltonRocha Araújo

7. Luís Ferreira da Cunha

8. Luís Francisco Furtado Martins

9. Maria das Graças de Macêdo Nascimento

10. Reginaldo Monteiro Silva


OFICIAL

1. Adailton Calderaro Bortolucci

2. Avelina Rosa de Melo Cunha

3. Cícero Judimar do Nascimento

4. Cirilo Soares de Sousa Sobrinho

5. Daniel Markus de Carvalho Paixão

6. Edilene Mota Meier

7. Eunice Oliveira Barros

8. Genival Bezerra da Silva

9. Igor Rodrigo Tenório da Silva

10. Maria Assunção Sousa de Aguiar

11. Neuma Maria Café Barroso

12. Paulo Afonso Rodrigues da Cunha

13. Ruy Nunes Cordeiro

14. Sammya Raquel Bastos Bona Almeida Silva

15. Ubirajara Vieira Mendes


COMENDADOR

1. Emerson Bezerra de Lima

2. Erivan José da Silva Lopes

3. Eugênia Nogueira do Rêgo Monteiro Villa

4. Francisco de Paula da Silva

5. Francisco Kennedy Feitosa

6. José de Ribamar Carvalho

7. Luiz Cláudio Patrício de Lima

8. Marcos Gomes Paulino

9. Mussoline Marques de Sousa

10. Verônica Acioly de Vasconcelos

11. Volgane Oliveira Carvalho

Rayldo Pereira (flash direto de Campo Maior-PI)
Fábio Lima (da Redação)
redacao@cidadeverde.com

Paulo Martins quer que Batalha do Jenipapo seja conhecida nacionalmente

Foto: Wilson Filho/ Cidadeverde.com

O prefeito de Campo Maior, Paulo Martins (PT), afirmou na manhã desta sexta-feira (13), que o município está trabalhando para que a história da Batalha do Jenipapo seja conhecida nacionalmente.

Ao participar da missa em Ação de Graças pela passagem dos 192 anos da Batalha, o prefeito informou que trabalha um projeto junto às escolas para popularizar uma das trajetórias sanguentas mais importantes para a independência do país.

“Estamos nos empenhando para que os alunos conheçam a história da Batalha do Jenipapo. Estamos dialogando em nível estadual e queremos que todos conheçam nacionalmente essa importante história”, ressaltou Paulo Martins.

O prefeito de Campo Maior relembrou suas primeiras visitas ao monumento em homenagem a Batalha do Jenipapo. "Eu lembro que quando era criança a escola nos levava para visitar esse monumento. Hoje, tenho o orgulho de ser gestor da cidade e posso dizer que vemos com muita emoção esse momento, somos muito patriotas e vemos com altivez esse momento tão importante da independência do Brasil", declarou Paulo Martins.

Rayldo Pereira (flash direto de Campo Maior-PI)
Redação de Yala Sena e Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com

Missa abre programação do aniversário de 192 anos da Batalha do Jenipapo

  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Mapa do Piauí em madeira, obra do mestre José Pascoal
    Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde
  • Wilson Filho/Cidade Verde

O governador Wellington Dias (PT) e sua comitiva chegaram no final da manhã desta sexta-feira (13) a Campo Maior (PI) para participar da missa solene pelos 192 anos da Batalha do Jenipapo. A celebração é presidida por Dom Eduardo Zielski, bispo de Campo Maior, na igreja de Santo Antônio, catedral do município ( a 80 quilômetros de Teresina). 

Em rápidas palavras antes da celebração, o governador ressaltou a importância da Batalha na história do Piauí e na independência do Brasil. 

"É um orgulho enorme poder participar deste que é o primeiro ato da agenda solene da Batalha do Jenipapo aqui na Terra dos Carnaubais, nesta grandiosa igreja, que é um verdadeiro patrimônio histórico", afirmou.

Wellington Dias destacou ainda ações a serem feitas no município. "Fui recebido pelo prefeito e uma comitiva e entramos em um entendimento para garantir a preservação do patrimônio histórico de Campo Maior. O Governo, em parceria com o município e com o Lions Clube, também irá trabalhar para ampliar o atendimento em instituições de recuperação de dependentes químicos. Estamos apoiando o trabalho e vamos ampliar o investimento para aumentar a estrutura"

Situação financeira
Sobre a situação econômica do Estado, Wellington Dias ressaltou que ainda está tentando recuperar o equilíbrio das finanças no Governo. "Assumimos com o desequilíbrio de meio bilhão, para ser mais exato R$ 470 milhões. E a melhor forma para fazer o Estado continuar a crescer é manter esse equilíbrio", declarou.

O governador afirmou ainda que centenas de obras estavam paradas no Estado e o objetivo é retomar e concluir todas possíveis. "Estamos retomando mais da metade das obras paradas e vamos trabalhar para concluir o mais breve possível".

A missa é a primeira solenidade oficial na programação pelos 192 anos da Batalha do Jenipapo. Ainda será realizado um culto, antes da visita ao cemitério dos heróis da luta armada pela independência do Piauí. Em seguida, no monumento ao lado do rio Jenipapo, será feita a solenidade cívico militar, com a entregua de homenagens e encenação da batalha. 

Rayldo Pereira (flash direto de Campo Maior-PI)
Fábio Lima (Da Redação)
redacao@cidadeverde.com

Polícia Civil fecha boca de fumo e encontra droga escondida em coqueiro

Duas pessoas foram autuadas pelo crime de tráfico de drogas na região Norte do Piauí em operação deflagrada pela Polícia Civil em Campo Maior, nesta quinta-feira (12). As prisões ocorreram em cumprimento a mandados de Busca e Apreensão expedidos pelo juiz Julio Cesar Garcez após investigação do Núcleo de Inteligência de Campo Maior. 

                 Fotos: Portaldecampomaior

"Há cerca de 20 dias houve um suposto estupro e a mulher conta que no local havia a comercialização de drogas. A suposta vítima apontou como autor da violência sexual Viltomar Pereira Costa, vulgo Victor Mãozinha, e de posse dos mandados judiciais foram realizadas as abordagens, quando encontramos entorpecentes, dinheiro e outros materiais que configuram o tráfico de drogas", explica o chefe de cartório do 1º DP do município, Baker Martins.

De acordo com a Polícia Civil, além de Victor Mãozinha, Samuel Araújo de Oliveira- que responde em liberdade condicional também por tráfico de drogas- foi preso. No momento da abordagem foram encontrados ainda três usuários de drogas. 

"As prisões ocorreram na casa do pai de Viltomar Pereira, que fica ao lado onde ele mora, no bairro São João. Nas duas residências foram encontrados crack, cocaína, maconha, mais de R$ 1 mil em dinheiro fracionado, aparelhos de telefones celulares, material para embalagem de droga. De acordo com a Polícia Civil até um coqueiro no quintal da residência servia para esconder a droga. O material ilícito era armazenado dentro e no topo da árvore e as equipes tiveram que escalar a palmeira. 

 

 

A operação denominada 'Jenipapo', em alusão aos 192 anos da Batalha do Jenipapo comemorado nesta sexta-feira (13), contou com 14 policiais civis, sob comando do Delegado Regional Gustavo Jung.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Amigos morrem em colisão entre moto e caminhão na BR-343

Dois jovens identificados como condutor Severo de Brito Cardoso Filho, 22 anos, e Wellington James Soares Silva, 20 anos, morreram em uma colisão entre um caminhão e uma motocicleta na BR-343, comunidade Porção, zona rural de Campo Maior. O acidente ocorreu por volta das 5h15, desta quarta-feira (11), e os amigos morreram ainda no local. 

                    Fotos: Campomaioremfoco

 

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a moto era conduzida por Severo de Brito que teria tentado realizar uma ultrapassagem quando houve a colisão. Os dois estariam vindo de uma festa na cidade de Capitão de Campos. 

O motorista da caminhão, que não teve a identidade revelada, fugiu do local do acidente, de acordo com a PRF. Os corpos foram recolhidos e levados ao necrotério do Hospital Regional de Campo Maior.


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

"Estava fazendo meu trabalho", diz jovem suspeito de assalto e morte de vigia

Dois jovens acusados de vários assaltos na região norte do Piauí foram ouvidos na manhã desta segunda-feira (09) e de acordo com o Delegado Regional Gustavo Jung, o depoimento de um deles, um adolescente de 17 anos natural de São Paulo, surpreendeu pela frieza. Entre os crimes atribuídos ao jovem, o assalto a uma panificadora na semana passada que resultou na morte do vigia Antonio José da Silva, 62 anos de idade, que foi baleado na cabeça e morreu após três dias internado. 

    Foo: Campomaioremfoco

"Ele não nega a autoria do crime e atirou no vigia por maldade, pois não houve resistência por parte da vítima que ficou totalmente inerte com a invasão à panificadora. Em depoimento, o suspeito de 17 anos, chegou a dizer que estava apenas fazendo seu trabalho e quando fosse solto faria tudo de novo porque ele estava se graduando no crime", disse Jung. 

De acordo com a Polícia Civil, o comparsa do suspeito foi identificado como Gabriel Ferreira Magalhães e os dois estão sendo encaminhados para Teresina. 

Após o assalto à panificadora, na última quinta-feira (5), os dois foram presos e fugiram do 1º Distrito Policial de Campo Maior, sendo recapturado na madrugada de sábado após o roubo de uma motocicleta e um celular. Desta vez, a dupla foi encaminhada para Teresina. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Campo Maior sanciona piso para professores; salários chegam a R$ 6 mil

O prefeito Paulo Martins sancionou, nessa quarta-feira, 04.03, a Lei do Piso dos Professores da Rede Municipal de Ensino, que foi aprovada pela Câmara de Vereadores na sessão dessa terça-feira, 03.  De acordo com a Lei, ficou reajustado em 13,01% o valor do vencimento básico dos professores efetivos de Campo Maior.

Segundo ainda a Lei, os reajustes dos valores correspondentes aos vencimentos básicos de todas as classes e níveis dos integrantes do magistério público municipal produzirão os efeitos retroativos, ou seja, a partir de 1º de Janeiro de 2015.

O prefeito Paulo Martins informou que foi feito um planejamento financeiro para que seja garantido o piso nacional a todos os professores efetivos.  O prefeito lembra que com o reajuste os integrantes do magistério receberão de R$ 2 mil até R$ 6 mil reais. “É um dos melhores salários da Educação no Piauí”, destacou o prefeito.

Paulo Martins lembra que além da valorização dos professores, a Educação de Campo Maior passa por melhorias em outros setores como os investimentos em transporte de alunos, merenda escolar e principalmente na infraestrutura das escolas. “Como consequência direta estamos comemorando o aumento do número de alunos matriculados, que chega a quase oito mil”, afirmou o gestor municipal.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com

Goleiro é levado para delegacia após dar soco em juiz durante jogo

O goleiro Anderson Gomes Muniz, conhecido como Preto, do time do Juventude do povoado Água Fria, zona rural de Campo Maior, saiu do campo direto para a delegacia acusado de agredir com um soco no olho o árbitro Arleno Silva, durante o campeonato do Alto do Meio, neste domingo (01).


                                               Fotos: Elvis Presley/ Reprodução Campo Maior em Foco

 

De acordo com a Polícia Militar, a confusão ocorreu após o juiz aplicar um cartão vermelho.

"O goleiro pediu parada para uma necessidade fisiológica. Na volta, o árbitro determinou bola ao chão e que fosse  devolvida ao adversário, mas o goleiro não aceitou e queria a posse da bola. Houve discussão e o goleiro foi punido com cartão amarelo. Continuou a reclamar e recebeu cartão vermelho, momento em que agrediu fisicamente o árbitro com um soco no rosto", disse.

De acordo tenente-coronel Rui Nunes Cordeiro, comandante do 15º BPM, Preto foi encaminhado ao 1º Distrito Policial e liberado após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência. 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com
Com informações Portaldecampomaior e Campomaioremfoco

Campo Maior encerra nesta sexta renovação de alvarás de estabelecimentos

Esta sexta-feira (27) é o último dia para emissão de alvarás sem acréscimos de juros para estabelecimentos que exercem atividades comercial, industrial ou de serviços no município de Campo Maior. O prazo foi prorrogado pelo prefeito de Campo Maior, Paulo Martins, através de decreto.

O contribuinte deve procurar o setor de tributação no prédio da Prefeitura de Campo Maior para renovar o documento que é fundamental para o funcionamento do estabelecimento, sem ele nenhuma atividade empresarial poderá ser desenvolvida no município.

“O contribuinte que não efetuar o pagamento até o dia 27 de fevereiro irá pagar o documento com a correção normal de tributos, de juros e da multa de atualização”, informou o Gerente de Receitas, Jean Charles.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com

Radialista é encontrado morto pelo filho dentro de casa

O radialista Zeferino Alves Neto, conhecido como "Zan" foi encontrado morto pelo seu próprio filho na manhã desta quarta-feira (25) em sua residência. De acordo com o delegado regional Gustavo Jung, a perícia da Polícia Civil esteve no local e exames cadavéricos foram pedidos para detectar a causa da morte.

"Até então a gente não pode afirmar nada em relação a morte. Encaminhamos o corpo para o Instituto Médico Legal e coletamos alguns indícios no local. Pedimos uma perícia criminal para tetectar eventual objeto no local do crime e também um exame cadavérico para possível envenenamento ou ingestão de substância", acrescentou o delegado.

Gustavo Jung explica que o corpo foi encontrado por volta das 10h30 pelo filho do radialista. "Ele que nos procurou e relatou que ao acordar foi até o quarto do pai e viu a porta aberta, o que não é de costume. Ele estava caído com uma mão na rede como se quisesse se apoiar", acrescentou o policial.

A família agora aguarda a liberação do corpo para velório e enterro.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Posts anteriores