Versão para Impressão - Matéria publicada em 16/12/13, 19:46
Júlia gravou e postou vídeo de sexo; caso muda de delegacia
A investigação foi transferida de Parnaíba para a Delegacia de Crimes Virtuais em Teresina.

A investigação do caso da estudante Júlia Rebeca de 17 anos, que foi encontrada morta após divulgação de vídeo na rede social, foi transferida de Parnaíba para a Delegacia de Crimes Virtuais em Teresina. A morte da jovem foi destaque nacional e causou comoção no Estado. A polícia tem provas de que a gravação em que a estudante aparece fazendo sexo foi postada na conta pessoal de Júlia no WhatsApp. 


“Não resta dúvida de que o vídeo foi postado na conta pessoal da estudante. Ela gravou e postou para os colegas”, disse o delegado Rodrigo Moreira que investigava o caso em Parnaíba.

Ele informou ainda que não existe um segundo vídeo como foi cogitado durante a investigação. O delegado teve acesso à suposta gravação, mas foi constatado de que se tratava de outra garota. A família ajudou na análise do segundo vídeo.

“As imagens não são da Júlia”, garantiu o delegado. Júlia Receba foi achada morta no quarto de sua casa em Parnaíba no dia 10 de novembro deste ano. Ela se enforcou com o fio de chapinha após ter vídeo divulgado no WhatsApp. A estudante também deixou mensagens na rede social Instagram.


Perícia

Três celulares passam por perícia e a polícia aguarda o resultado. Os parelhos são de Júlia Rebeca e dos dois jovens que estava no ela durante a gravação. A Polícia identificou também que a gravação foi feito no quarto de um dos jovens.

A Delegacia de Parnaíba encaminhou para Teresina depoimentos, celulares e mídia digitais.

“Há conversas de Júlia. Ela tinha um banco de dados gravados em seu computador e no celular. Todo o material foi repassado para a delegacia virtual”, disse Rodrigo Moreira.



Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com