Magníficos encerra São João das Cidades em ritmo de forró romântico

A banda Magníficos fechou a terceira e última noite do São João das Cidades, que aconteceu de 13 a 15 de junho no Parque de Exposições Dirceu Arco Verde. Com seu repertório que foi do forró romântico, que é sua marca registrada, a um bloco de músicas juninas, o grupo paraibano que já tem 18 anos não deixou ninguém parado.

Yala Sena/CidadeVerde.com

A vocalista Sâmya Maia conversou com o CidadeVerde.com e relatou a agitada rotina de shows de junho. “Tem dias que fazemos dois ou três shows. É muito intenso. Este ano, nas festas juninas, estamos indo desde o Maranhão à Bahia. Vamos chegar a uns trinta shows este mês”, calculou.

A banda Magníficos também já está preparando um DVD que deve vir com sucessos e músicas inéditas a ser lançado no segundo semestre e também prepara o repertório de um outro projeto, um novo disco, que deve ficar pronto até dezembro.

Victor Gabriel/CidadeVerde.com

Um outro projeto de muito sucesso do grupo é o “Forró das Antigas” realizado em conjunto com as bandas Limão com Mel e Mastruz com Leite. “Demos uma parada por conta do São João, mas vamos retomar em breve. É uma amizade grande. Quando estamos juntos, parece que somos uma única banda”, afirma.

 

Carlos Lustosa Filho/CidadeVerde.com

Tradição versus Modernidade
A vocalista Walkyria Santos, que estava na primeira formação da banda, ao ser questionada sobre a crítica de forrozeiros ligados ao pé-de-serra ao estilo de forró mais urbano e eletrônico, é taxativa: “cada um fala o que quer. As pessoas têm que entender que forró não é só Luiz Gonzaga. O samba e o sertanejo também não são os mesmos de quinze anos atrás. Tudo tem que caminhar para frente”. Pra mostrar que a banda também é fã do Grande Lua, os três vocalistas, Walkyria, Sâmya e Neno cantaram um pout-pourri com Baião, Qui nem Jiló e Paraíba. O espetáculo contou com grandes sucessos de diversas fases da banda como Cristal Quebrado, Fora de Mim, Verdadeiro Amor, entre outras, fazendo a multidão cantar e dançar.

Groove da Negona
A penúltima banda a subir ao palco do São João das Cidades foi o Groove da Negona, da carismática, Lene Silva. Com seu grito de guerra “açoita!” e seu estilo onde a percussão é preponderante, a artista fez uma mescla de forró bastante suingada. Ela incluiu um sanfoneiro na sua banda e agitou o público do evento com seu ritmo estilizado e um repertório que incluiu até funks como O Show das Poderosas e Lelek, além de fusões com arrocha.

Carlos Lustosa Filho/CidadeVerde.com

A cantora também fez uma homenagem às festas juninas com seu traje. “Trabalho com o conceito de banda show, então, tenho uma equipe muito forte, que pensa na maquiagem, figurino. Eu vou subir ao palco homenageando as rainhas caipiras e a Copa das Confederações”, declarou.

Victor Gabriel/CidadeVerde.com

O Groove da Negona cantou também um repertório gonzagueano. “Festa junina sem Luiz Gonzaga, não é festa junina”, declarou Lene para em seguida puxar o coro com Vida de Viajante, sucesso do Rei do Baião.

São João das Cidades
O evento promovido pela TV Cidade Verde levou milhares de pessoas ao Parque de Exposição Dirceu Arcoverde e se consolida no cenário junino de Teresina. Contou com o grandes atrações como Flávio José, Elba Ramalho, Forró do Muído, Vicente Nery, além de músicos locais como Lilly Araújo, Gonzaga Lu, Xenhenhém, entre outros. O Palco das Tradições, comandado por Laércio Andrade, reuniu grupos folclóricos, competições e brincadeiras típicas da época junina. A Praça de Alimentação trouxe inúmeros pratos típicos enquanto a Feira de Artesanato e o Espaço das Cidades foram vitrine para o que de melhor é produzido no Piauí. A Arena de Quadrilhas foi palco de grupos que mostraram criatividade, vigor e carisma em verdadeiras óperas nordestinas. A grande vencedora da competição foi a Luar de Prata, de Demerval Lobão. Anarriê, anavantu e até 2014!

 

Carlos Lustosa Filho
redacao@cidadeverde.com

Elba homenageia Dominguinhos e confirma presença em 2014

Ela veio do Rio de Janeiro para Teresina apenas para o show no São João das Cidades. O cidadeverde.com conseguiu flagrar Elba Ramalho aquecendo a voz, momentos antes da apresentação. “O show do ano passado foi memorável”, confessou ela, que e tornou símbolo da festa junina organizada pela TV Cidade Verde.

Fotos: Evelin Santos/Cidadeverde.com

“2012 ficou na memória. Costumo dizer que aquele foi um dos melhores shows da temporada. Espero que o de hoje seja tão bom quanto, ou melhor”, disse a cantora nordestina com mais de 30 anos de experiência nos palcos do Brasil e do mundo.

E ela conseguiu. O público presente não parou um minuto. O show contemplou três vertentes: sucessos da carreira dela, do rei do Baião, Luiz Gonzaga, e de Dominguinhos. Não deu outra: satisfação garantida.

“Bom mesmo é olhar de cima do palco e perceber que meu público hoje é o mais diversificado possível. Claro, tenho sempre o público fiel, que me segue a anos. Mas o jovens estão descobrindo meu trabalho logo no melhor período da minha vida quando eu estou melhor”, disse.

A apresentação foi a segunda da noite. Além de repertório diferenciado, mas com clássicos, do mesmo tocado há um ano, na primeira edição do São João das Cidades, Elba Ramalho trouxe seu corpo de baile, o que abrilhantou mais ainda a noite. Foi quase impossível tirar os olhos do palco.

“Estou muito mais segura e a vontade. Ainda mais porque encontramos em Teresina uma das melhores platéias de São João do Brasil. Estar aqui é sempre muito especial. Ainda mais nesse evento, que me marcou tanto”, explica a cantora nascida no Estado da Paraíba.

O show durou quase 2 horas e abriu espaço para o Lene Silva e o Groove da Negona. O sucesso de Elba Ramalho no Estado é tamanho que o convite para a edição 2014 do São João das Cidades já foi feito.

“Vocês vão ter que me engolir!”, brincou. “Acredito que todo esse carinho do público acontece porque eu sou uma cantora que nunca me acomodei. Meu trabalho não se focou apenas em conseguir emplacar novas ‘Banho de Cheiro’. Eu me permiti ousar, ir atrás de coisas novas, de experimentar”, analisa.

Homenagem
Elba Ramalho pediu licença para fazer uma homenagem, uma lembrança e um pedido aquele que ela considera mestre. “Levanta daí Dominguinhos!”, disse a cantora nordestina em referência aos problemas de saúde por que passa o amigo.

Ela finalizou o espetáculo cantando a oração de São Francisco de Assis e pedindo paz e amor a Deus.

Atração local

Quem abriu a noite de atrações musicais foi a banda Xenhenhem. O grupo piauiense tocou músicas autorais, além dos principais sucessos que tocam no rádio. Não faltou espaço para o mundo sertanejo.

Lívio Galeno
liviogaleno@cidadeverde.com

Lua de Prata, de Demerval Lobão, vence concurso no São João das Cidades

A quadrilha campeã do II Concurso Cidade Verde de Quadrilhas Juninas foi a Lua de Prata, com 345,4 pontos. Em cena, a quadrilha se apresentou com o tema “Nordeste Cantador” e homenageou o Rei do Baião Luiz Gonzaga.

Fotos: Raoni Barbosa

“Ano passado ficamos em terceiro lugar. Este ano nos preparamos mais e hoje recebemos esse prêmio como resultado do nosso esforço”, disse emocionado o representante da Lua de Prata, Ivan Sales. Além do reconhecimento, o grupo de Demerval Lobão leva para casa o prêmio de R$ 6 mil.

Fotos: Victor Gabriel

Em segundo lugar ficou a quadrilha Trapos e Farrapos, com 342,4 pontos. O resultado fez a rainha Suelma Campos chorar de alegria. O grupo de Piracuruca leva para casa R$ 3 mil. O terceiro lugar ficou com a quadrilha Mandacaru do Sertão, com 342,2 pontos. O grupo de Barras leva para casa R$ 2 mil.

“O nível das quadrilhas está muito bom e o que mais nos chamou atenção foi a animação, o vigor e a união dos quadrilheiros. A diferença entre as quadrilhas foi pequena”, disse a produtora do Ceará e coordenadora dos jurados, Ilka Sallatiel.

Apresentações

As três últimas apresentações do Concurso Cidade Verde de Quadrilha Junina surpreenderam o público. A quadrilha Mandacaru do Sertão, de Barras, exibiu uma verdadeira mistura de ritmos, até o funk foi contemplado.

O tema da Mandacaru do Sertão foi “No meu sertão tem tudo de bom que se possa imaginar”. O grupo deu show apresentando as belezas do sertão nordestino.

Fotos: Raoni Barbosa

Já a quadrilha Trapos e Farrapos, de Piracuruca, contou a história do vaqueiro Jenuíno e de seu casamento proibido com Maria Flor. O amor do casal foi destaque dentro do tema “Vaqueiro – entre suas perdas e suas glórias”.

Fotos: Raoni Barbosa

O grupo mostrou de forma criativa o poder da oração e da fé na vida do vaqueiro nordestino.

Fotos: Victor Gabriel

A quadrilha Luar do São João, de Teresina, foi a última a se apresentar no São João das Cidades deste ano. Animado, o grupo se mostrou sincronizado e destacou pecados capitais como preguiça e avareza dentro do tema “Pecados e virtudes numa noite de São João”.

Jordana Cury
jordanacury@cidadeverde.com